domingo, 30 de dezembro de 2007

Retrospectiva

Quem me conhece sabe da minha pequena memória de 3kb, só lembro de tudo que aconteceu esse ano porque eu escrevi. Já com um começo clichê: "esse ano foi incrível, teve altos e baixos, mas não vou esquecê-lo".
Consegui em 2007 uma publicação nos EUA, amigos novos e incríveis, amizades mais fortes, arrependimentos benéficos, risadas com a garganta, receitas de biscoitos, 1 cm a mais. Olhando para trás, esse ano não foi um dos mais certeiros; muita coisa que tive ano passado, não tive intensamente nesse. Escrevi coisas boas, as melhores que já consegui; mas o resultado de suar a camisa só sairá em 2008.
No colégio, tive um dos melhores anos, não só porque tive um relacionamento melhor com a maioria dos professores, mas porque tudo parecia favorecer(esse ano quebrei a cara feio, mas me serviu pra me tornar mais determinada).
Coisas que aconteceram comigo eu ri tanto que hoje nem parece que foi comigo que aconteceram! Parece que foi tudo um capítulo engraçado de "Ria da Minha Vida Antes que Eu Ria da Sua", mas foi verdade.
Me apaixonei perdidamente, na época foi aquela sensação maravilhosa, que dava vontade de sair dançando na chuva e cantar "Lua de Cristal" no meio da praça. Agora no final acabou sendo uma perda de tempo, tanto sentimento pra depois eu querer esquecer(acreditando que é melhor pra mim). (Não) foi intenso.
Realizações pessoais(conhecer ídolos), que eu vou guardar pra sempre e ainda vou dar aquela aproveitada(fazer as fotos se tranformarem no que elas pareciam realmente ser: histórias).
Músicas me marcaram e filmes me fizeram chorar. Músicas que se encaixaram na minha vida e me fizeram chorar, filmes que identifiquei em alguns momentos e ri muito. Frases que me marcaram e livros que me fizeram chorar.
Todo final de ano temos essa nostalgia, abrimos o baú das lembranças e revemos os beijos, as notas baixas, os risos, os "adeus". Muitas coisas quem a gente lembra se arrepende de ter feito, mas se não fosse assim, talvez não tivessemos aprendido. "Se não fosse doído, não seria vida", mas a vida não é só sofrimento; tivemos momentos maravilhos pelos quais ainda queremos que estivessemos vivendo eles eternamente.
Todo ano tem isso. E, então, porque todo ano é "novo"? Pela esperança de que tudo isso seja repetido... de forma diferente.
Erre, mas erre novo. Beije, mas beije (de)novo. Adore, mas adore novo. Ria, mas ria novo.



Uma retrospectiva cega do que foi esse ano para mim. Porque parece que 2007 foi o ano menos "cool" de todos? Talvez ele foi e esse final que estragou.
Não que esse final que estragou, esse final(ou seja, final de aula e início de férias) aconteceu tanta coisa realmente "diferente" que me fez ver que tudo isso que eu vivi teria sido melhor aos meus olhos se não tivesse esses novos aprendizados.

Anyway, daqui alguns dias eu vou reescrever essa conclusão da retrospectiva.

Dry Leaves

Escrito em 2006, marcou 2007 e ainda renderá alegrias em 2008!
A famosa HQ que foi para os EUA, no meio de uma aula da Lourdes saiu sem querer um extra da vida da Jasmine.


Jasmine era uma garota triste. Ou pelo menos estava triste no momento em que a conheci e no dia que nos encontramos em um restaurante.
Sempre me dizem coisas tristes que aconteciam com ela. Não sabia se eram realmente verdade, mas era o que eu sabia dela.
Aquele almoço no restaurante mudou um pouco minha visão sobre ela. Nos encontramos na entrada e decidimos nos sentar juntos, já que, até aquele momento, estávamos sozinhos.
Ela me contou sobre a vida atual dela, o que encara e o que faz. Uma garota simpática, forte, meiga e trabalhadora. Suas dores foram dificilmente superadas com a ajuda de apenas um amigo.
-Ele me mostrou os lugares mais lindos... -dizia ela melancólica- ele foi o primeiro que me amou. Até agora o único que me fez feliz.
-Você ainda tem muita gente pra conhecer, mesmo que hoje a maioria te deixe triste -tentei animá-la.
-A maioria? -disse irônica mastigando a batata- Todos! Todos me odeiam. Ninguém pergunta se está tudo bem, ninguém me consola, ninguém me ouve...
-E o que eu estou fazendo? -perguntei logo em seguida.
Ela se calou. Engoliu a batata e me olhou assustada. Apertou os olhos e depois sorriu.
-Você é diferente -respondeu confusa-, você... eu mal conheço você. E você mal me conhece.
-Sei tantas coisas de você que nem imagina -dizia com receio de que ela não gostasse dessa informação-, tudo o que eu tive que escutar, histórias trágicas que supostamente você não gosta de lembrar.
-E porque me ouviu por tanto tempo se sabia de tudo? -retrucou no mesmo tom que o meu.
-Eu sabia a opinião dos outros-tentei olhar para a comida-, mas não a tua verdade.
Ela tomou um gole do suco e eu fiz o mesmo.
-Dá pra notar que você é realmente diferente -disse com um sorriso, aquilo foi animador-. Muita gente acha que eu me perdi, que eu sou doida... por não ter amigos e enfrentar tudo isso. Muitos acreditam nessas simples histórias. E eu acabo me tonando um mistério.
-É o que eles veêm -eu disse-. O que você vê de si mesma?
Ela olhou para a alface, espetou com o garfo e encarou a verdade.
-Uma garota solitária -disse com aquele timbre melancólico-, que a última pior coisa que aconteceu em sua vida, superou sozinha. Mas neste exato momento, eu vejo essa garota não tão solitária.
Colocou a alface na boca e a mastigou. Enquanto ela falava eu mastigava suas palavras e o meu almoço. Engolia minha comida, mas guardava suas palavras.
-Pelo menos eu fiz algo de bom... -sorri receosamente enquanto falava.
-Creio que sim -me deu o mesmo tipo de sorriso-. Fazia tempo que eu não tinha uma conversa assim com alguém. Sentia uma certa falta...
O almoço tinha acabado. Mas o dia era tão quente e bonito que não me agüentei e a convidei para tomar um sorvete. Ela aceitou.
-O que você acha de mim agora? -ela dizia enquanto íamos a sorveteria.
-Não mais uma garota solitária -tentei arriscar algo decente-. E nem uma garota triste e doida. Apenas uma garota que precisa de amigos verdadeiros, e não estranhos que cumprimentam na rua.
-Eu sou solitária sim. Não tenho nenhum amigo, só tenho as tais pessoas que me cumprimentam na rua -dizia um tanto irônica-.
-E eu sou o que? -adorava perguntar isso a ela.
-Não mais um estranho que me cumprimenta na rua -disse mais verdadeiramente feliz que a última vez-. Mas ainda não um amigo. Eu acredito que ter um amigo é algo tão sério quanto dizer sim a um pedido de casamento.
-Foi por tudo que teve que agüentar? -eu disse, mas parecia que ela nem me ouvia.
Tínhamos chego a sorveteria, ela disfarçava a demora da resposta para escolher um sabor. Mas em seu rosto sabia que já o tinha escolhido.
-Chocoltate. E você? -perguntei a ela para acabar com essa falsa demora.
-Melancia.
Fomos servidos e ela ainda demorava com essa resposta.
-Vamos lá fora?? O dia está tão lindo. -ela pediu.
Tirei a carteira do bolso, ela fez o mesmo.
-Não-disse antes que ela a abrisse-, eu faço questão.
Paguei e fomos a praça. A perguntei novamente se foi por tudo que ela passou.
-Sim, foi -disse triste-. Sabe o que é ter um único amigo, perdê-lo e todas as pessoas com que fala depois... pouco se importam?
-Não sei como você superou.
-Eu ainda também não sei -dizia olhando para a copa das árvores-... mas acredito sempre que foi pelo amor que ele me deixou.

terça-feira, 25 de dezembro de 2007

domingo, 23 de dezembro de 2007

Perfume floral

Eu acabrei acreditando que sou uma flor da estação. Essa que, talvez, é chamada de mania, tornou-se comum.
Uma vez eu tive orgulho de gritá-lo. "Pouco me importa se esses não gostam de mim". Me orgulho mesmo é dos raros que gostam.
Me entristece raros que esquecem.
Esquecem da vida, da aventura. E que a palavra de outros não constrói nosso interiror. (As diferenças corroem)
O que posso fazer se sou uma verbena.
"Amores imperfeitos são as flores da estação"
Toda essa história exala o aroma das flores do verão.

Um post pra começar o verão.
Sorria e coloque o maiô, o que a gente precisa agora é de vida!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

A gente nasceu pra ser livre!

Talvez um momento de loucura. Resolver abandonar os filhos e a esposa, doente(algo mortal), apenas curtir o fim da vida. Abandoná-los para ser feliz. Ser livre. Feito pássaros. Querer apenas a boa sensação e dois ternos de linho(não se esqueça do par de sapatos brancos). Tirar pássaros da gaiola, fazê-los livres, como nasceram para ser. Dá-los a dignidade, o vôo, a liberdade...
-A gente nasceu pra ser livre!
Escorrer lágrimas dos olhos ao ver aquela linda cena, seres devidamente em seus lugares: pássaros voando e pessoas vivendo.
O que eu posso lhe dizer a respeito é: nascemos para sermos livres!

Pra quem assistiu Duas Caras dia 13 de dezembro, talvez uma das cenas mais perfeitas, lindas, místicas e com breves momentos de loucura da TV brasileira.

Sim, eu chorei ao vê-la.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Procure(a)-se

Ando por aí te procurando, em cada pessoa, em cada olhar ou até mesmo gestos. Ninguém te contém, não ao meu ver. Eu vejo pessoas, abraços, caminhadas... são apenas palavras pequenas, aqueles momentos pequenos. Talvez se houvesse mais interior, ou até mesmo percepção. Tentativas em vão, você não está neles, eu não te acho. Sem você o mundo parece tão triste, sem sentido ou razão.
Mas eu te achei, quero-te para sempre! Te amo! Achei o que procurava, achei o amor... me encontrei.

Pequena reflexão de Jonny: "Não se drogue por achar não ter sido capaz de se encontrar, eu estive em todos os lugares mas só me achei em mim mesmo."

Post ouvindo Palavras ao Vento(Marisa Monte e Moraes Moreira) e lembrando do curta do Festival de Vídeos do Poliedro, Procure(a)-se. O que importa é se amar.

"Que o nosso amor pra sempre viva, minha dádiva, quero poder jurar que essa paixão jamais será palavras, apenas palavras pequenas"

domingo, 16 de dezembro de 2007

"Destination n nan na nan"

Será que minha vida toda foi e será em vão? Eu tenho todos meus dias como se eles fossem uma história minha e não de outro autor.
QUeria que cada erro, cada sorriso, cada beijo, cada briga não fosse delicadamente calculada. Se cada uma dessas coisas forem minhas, creio que eu vou morrer feliz.
Mas é como eu digo: "mirai no shinjiteiru"(acredite no futuro). Lutemos, colegas!





Foto em homenagem ao churras de hoje! Já que foi uma confraternização rules dos formandos 9° Villa Lobos 2007! Vai dá uma saudade!
Essa galera que a gente briga tanto, que a gente implica tanto... mas que deixam tantas lembranças.
Um dia eu vou ter um momento nostalgia aqui.

Novamente:
O que vocês fariam para mudar o mundo?

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Eu queria saber como as coisas aconteciam...

E eu descobri...
-Da pior maneira possível. -foi essa a resposta ao meu professor quando ele quis saber de que maneira víamos o colégio.
O silêncio foi imediato. Eu ainda acredito que o mundo enlouqueceu.
-Eu não menti. -foi a minha resposta ao silêncio mortal que zumbia loucamente em meu ouvido.
Sabe porque o mundo enlouqueceu? Porque mesmo os preços dos CDs caíram 60% em menos de um ano, a gente ainda depende da internet.
Porque mesmo o dia estando lindo, o CS é mais importante.
Porque mesmo tua vizinha gata te dando bola, preferem uma photoshopada do Acre que diz que mora no Rio.
Eu aprendi como algumas coisas funcionam no colégio, como bhaskara e aquela coisinha... distribuição eletrônica.
No mundo lá fora ninguém vai te perguntar qual é a raiz quadrada de 3 do nada, como meu professor supõe.
Vou te ensinar como algumas coisas funcionam: a tradução de push é empurre e a vida é uma só.
Dizem que a vida só vale a pena se você curitr cada segundo. Se a gente mata aula é castigo na certa. mas se a gente vira a noite estudando é pra relaxar.
Se alguém souber uma receita REAL e CONCRETA pra felicidade... coloca no youtube que todo mundo fica sabendo.
Eu aprendi a funcionalidade de um colégio na diretoria. Alguém já notou que sempre curtir a vida não tem nada a ver com o colégio? É só balada, praia e amigo.
Colégio é um inferno que mostra como as coisas podem ficar piores.
Além de acordar cedo, tem prova e logo em seguida aula com um profesor que nos aconselha a sermos felizes. Se ele não notou, quem trabalha em infernos é pra fazer os outros infelizes. E não dar palestras de auto-ajuda.
Colégio nos mostra como a vida é boa... fora dele. O sinal da saída são os ecos da felicidade.
Às vezes meus pais dizem que sentem falta da escola. Mas como o ser humano ama sofrer, hein?
Se você foi roubado, logo em seguida levou um pé e ao chegar em casa brigou com o pai, calma, depois piora. Amanhã tem aula.



*Mari querendo fazer humor*
Alguém riu?
Como isso foi escrito dia 14 de junho, tinha aula no dia seguinte.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

"São só garotos"

Esses que me alegram, me estristessem, me surpreendem, me esqueçem, me divertem, me enlouquecem... são apenas garotos.
Indecifáveis, ou os meus palpites que são péssimos ou as mulheres que tem a impossibilidade física de não entendê-los.
Endenter eu não sei, mas aprender eu consigo. À pouco tempo nessa área, mas às vezes arrisco.
Esses que amo e odeio, observo e ignoro, quero e não tenho.... são só garotos.


Ei, quero a opinião de vocês: o que vocês fariam para mudar o mundo?
Please, respondam!!!

sábado, 8 de dezembro de 2007


Post de correção à ontem.
Foi tudo muito rápido, muito precipitado. Sem uma conversa clara e definitiva diretamente com a pessoa, a gente pode pensar muitas coisa e, ainda, falar coisas além. Como esse erro de ontem.
Desculpem pelo equívoco, mas uma semana martelando isso sozinha na cabeça, acaba com qualquer um. Eu sentia que nada conseguiria acabar daquele jeito que parecia o fim.
Ainda bem que não. A frase é medíocre, mas, Fera, ela está certa: "No final tudo acaba bem", se ainda não está bem, é porque ainda não acabou.
O que eu deveria ter dito era apenas da traição. Mais nada.
A parte boa é: depois de uma semana na fossa, eu volto rindo pra casa agora. E o sentimento que se instalou novamente, estava com saudades de mim.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Falsidade


Nosso post de hoje começa com uma obra de arte do Senhor Mário Cau: A Perigosa Perua!
Para quem não sabe, faz um tempo que eu resolvi pagar o maior mico da minha vida: me vestir igual a uma super-poderosa(logo que o Nielson me viu, me apelidou assim) tirar fotos e postar no meu fotolog. Aonde esse artista descobriu a heroína e decidiu queimar ainda mais o filme dela: desenhou!
Thx, brother, por transformar a minha toalha em uma capa esvoaçante. Fiquei com muita cara de Joe Perry, mas ameeei a luvinha(me lembrou muita a Vampira) e a legging(que no original era uma calça de ginástica). E ainda bem que a calcinha parece menos patética.
Enfim: Mário Cau, um dia eu ainda posto aquelas suas fotos comprometedoras!! Aquelas com aquelas pluminhas coloridas que eu esqueci o nome da frescura.
E, obrigada!



Falsidade...
Uma coisa que me atingiu nesse começo de férias. E como a Ju pediu para eu falar disso, aqui estou. Tentando canalizar a ideia sem me expor. Por mais que até a galera do Japão já saiba do drama amparense.
Tudo aconteceu quando eu resolvi ser discreta e, sem notar, alguém entendeu tudo mal. Acabou se vingando de mim. No pacote veio um domingo de mentiras, falsos olhares e sentimentos iludidos. Isso sem contar com as semanas em vão e as verdades por intermédio.
Se você sabe da história, não pense que eu estou aqui tentando te convencer a acreditar em mim, porque o resto do mundo que arma pra cima de mim. Só vim falar de falsidade, por mais que esse seja o meu exemplo.
Falsidade para mim se tornou uma coisa péssima, mais do que já era. Falsidade é você dizer e permanecer nessa informação sendo que o sentimento é outro, é você jurar fidelidade e amor para depois fugir com 10 mil reais ou simplesmente dizer que são super amigos e depois sumir com 50 reais. Ser falso é não ter escrúpulos, doa a quem doer, sair por cima é o que importa.
As pessoas são tão boas, mas depois se tornam tão más e fúteis.
E qual era o nosso erro? O erro das vítimas? Acreditar nas pessoas, amar ou até mesmo ser discreto.

Se alguém quiser se rebelar também e tirar a máscara, dizer coisas que está entalada a tempos, me ligue e marque um encontro. Não deixe recados nem mensagens por MSN, muito menos SMS por intermédio.

E se alguém que ler isto foi falso, apenas peço para acreditar em karma. Eu acredito!

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Biografia dela

"Mágico, especial
Seja borboleta,
bocas maravilhosas,
expressão.
Garota, confesse.

Olho exagere
Vida sentindo...
Devora vida
neste que supera.

Acabou por bem,
fechada, insegurança.
É desvantagens,
surpresa.
Gosta de perfume"

Dadaísmo com palavras de revista feminina, tenho mais outras 2 poesias assim.
Sabe quando a vida tá linda, nada atrapalha? É só vida, riso, felicidade, um medo de saudade futura e pijamas no colégio. É isso que eu sinto, só vida. Penúltimo dia de aula, um dos melhores finais de anos de um dos meus melhores anos letivos em um dos melhores colégios que já estudei. Com a turma mais legal que pode se ter no mundo.
O ano todo é só briga, pode parecer que esse finzinho é pura falsidade, é nada... é medo de saudade futura.

"Hey there delilah
What's it like in new york city
I'm a thousand miles away
But girl tonight you look so pretty
Yes you do
Time square can't shine as bright as you
I swear it's true
Hey there delilah
Don't you worry about the distance
I'm right there if you get lonely
Give this song another listen
Close your eyes
Listen to my voice it's my disguise
I'm by your side
Oh it's what you do to me
Hey there delilah
I know times are gettin hard
But just believe me girl
Someday i'll pay the bills with this guitar
We'll have it good
We'll have the life we knew we would
My word is good
Hey there delilah
I've got so much left to say
If every simple song i wrote to you
Would take your breath away
I'd write it all
Even more in love with me you'd fall
We'd have it all
A thousand miles seems pretty far
But they've got planes and trains and carsI'd walk to you if i had no other way
Our friends would all make fun of us
And we'll just laugh along because we know
That none of them have felt this way
Delilah i can promise you
That by the time that we get through
The world will never ever be the same
And you're to blame
Hey there delilah
You be good and don't you miss me
Two more years and you'll be done with school
And i'll be makin history like i do
You know it's all because of you
We can do whatever we want to
Hey there delilah heres to you
This ones for you"
Hey There Delilah - Plain White T's
Um dos clipes mais lindos, perfeitos, abaixonantes, profundos, envolventes que já vi. E a música, a mais viciante e leve.
http://www.orkut.com/FavoriteVideoView.aspx?uid=30814021665214669&ad=1196326111

domingo, 25 de novembro de 2007

"Dias melhores, pra sempre"

O Jota Quest me disse isso muito no ano passado. A verdade sobre esses dias é que temos que lutar por eles. Nós temos que ajudar a Terra, temos que correr atrás dos sonhos, temos que estudar e até quebrar a cara.
Lembre-se: a tristeza é inimiga da melhora.

Compartilhando...
Uma vez o 8P me perguntou como seria meu dia perfeito. Respondi que ele ainda deve ser escrito, mas já tive momentos maravilhosos. Lindas tardes com minhas primas, convites importantíssimos, divertidas noites com minhas amigas, passeios com minha família.
"O casal estava na prava, a garota deitou a cabeça no colo do rapaz. Eles se beijavam e as flores amarelas das árvores caiam sobre eles. Tarde tão calma como esta, nunca ouve."

sábado, 24 de novembro de 2007

Candy, minha vida fica melhor

Marshmellow é uma das coisas que mais combinam consigo mesma. O suave gosto doce, que o degustar parece nas nuvens. O aroma leve que fica no ar(quem come marshmellow tem perfume doce nas mãos). E as cores de quarto de bebê, aquelas que acalmam.
Chocolate, ao contrário, é marcante e forte. Seu perfume irresistível, que domina. O gosto maravilhoso e enlouquecedor que derrete na boca. Chocolate é sexy, é amigo e é companheiro de todas as bocas(como o beijo).
"E minha vida fez-se melhor", é o que sai da minha boca após ser seduzida.



Isso foi um post de gorda!
Mas, essa partezinha é só para agradeçer o recorde que tive ontem! 5 pessoas comentando, pode parecer pouco, mas foi muito legal pra mim!
Tio Mário: o título foi uma coisa muito nada a ver que eu nem sei porque escrevi! Adorei o comentário, "enxame de abelhas".
Tio And: Se quiser, manda a ver... mas acho que terá pouca gente!
E o resto, obrigada mesmo!

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

O sonho de uma aranha

Conto feito a partit de um sonho que eu tive nas férias de inverno. Sonho triste.

"Não teve tempo de se despedir, nem de olhar nos olhos deles uma última vez e levar consigo o amor que tinha. Ele partiu.
Ninguém sabia como. Mas ele não voltou. Encontraram um suposto ele, mas era irreconhecível.
Foi anúnciado que partira por conta de chamas. E o medo.
Não sabiam se o medo era realmente de quem pensavam que era. Mas ele não voltou.
Suas roupas estavam joagadas perto do medo. E das cinzas. Quase que as chamas o consumiu po inteiro.
O olhar de sua irmã era vazio. Ela não pensava. A dor era mais forte que a vontade ou a necessidade. E assim ficou, em choque, durante uns dias.
Ele era tão forte, tão companheiro, tão simpático, tão... observador. Apesar dos acontecimentos recentes, eu o via assim. Ele era assim. Eu o conhecia de longas manhãs, longas tardes... e poucas noites. Aqueles poucos dias que conversávamos como amigos ele me fez ver o que ele era.
Lágrimas escorriam durante dias. Incessantes.
Sua irmã olhava vazio. Eu chorava. Seus pais não acreditavam. Poucos de seus amigos estavam esgotados. Os colegas confortavam.
E outros dois, com uma pequena angústia, muito menor que a profundidade do riso, comiam e bebiam, como se ele apeas tivesse ido passear.
Mas ele tinha partido, e minhas lágrimas o queria de volta."

Na verdade, ele foi um pouco diferente disso, o sonho tinha uma final. O garoto era um animago(pra quem conhece Harry Potter), e antes de morrer ele se transformou em uma aranha e quem acabou sendo cremado foi um outro garoto que nada tinha a ver na história. E eu observava uma que tinha ficado presa na minha mochila, quando ela se transformou no meu amigo.
Pelo menos ele não havia morrido!

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

O Feliz Fim de Uma Sorriso Metálico

Acho que esse é um dos dias que mais estou anciosa. Porque hoje resolvi falar de felicidade. Talvez seja felicidade.
O que é que uma pessoa sente quando o final do ano está aí, as férias vem chegando, já está na finalização do uso do aparelho, o melhor amigo vai ilustrar o guia da Rolling Stone, o blog tem mais gente comentando, a inspiração para escrever cada vez melhor e o meu cabelo está ficando melhor?
Acho que é felicidade, no mínimo!
Contar 6 dias para o final das aulas.
Ouvir do dentista que o elástico está na posição de finalização.
Ler que o Mário vai fazer o guia.
Receber comentários de raros.
Ter idéias para as comics.
Acordar com o cabelo liso.
Me diz, num dia como esse o que a pessoa faz? Além de sorrir muito é claro!

"Em 2008 eu vou viver mais(seja nos erros ou acertos), vou tomar mais banhos de chuva e ver mais o sol se por."
Frase para o fórum da Capricho(eu ando escrevendo muito pra Capricho).
Tudo pelo Tudo de Blog! Em dezembro tem a nova seleção, torçam por mim!

Aliás, gostaram do novo nome do blog?

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

Nem tão bom, nem tão ruim

Hoje decidi vir aqui e falar de ciúme. Por um simples motivo: eu senti isso hoje. É meio estranho falar que eu senti isso, porque a pessoa não é "minha", eu apenas gosto dela. Vendo pelos vários ângulos do ciúme, ele nem é bom nem é mau.
Ciúme mostra que você gosta de alguém, se você não gostasse, não o sentiria. Esse é um ponto bom.
Mas se for aquele doentio, que é prejudicial, não é um ponto bom.
O meu ciúme foi aquela pontadinha de aperto no coração(tenho várias delas, mas essa foi diferente), poderia até ser boa essa pontadinha, mas foi daquelas que deixa um pouco deprê.
Eu não tinha pensado antes que ia fazer essa conclusão sem realmente estar com essa pessoa, e essa pessoa nem sabe dos meus sentimentos.
Observendo isso mais a fundo, já notou que as grande inspirações vem a partir da melancolia do amor não correspondido. Eu realmente acredito que isso seja apenas temporário.

Então, após essa tentativa de conclusão, o que você pensa a respeito do ciúme?

sábado, 17 de novembro de 2007

Abrindo o íntimo

Resolvi publicar algumas frases que li no meu diário(sim, eu tenho um) esses dias, frases minhas que não passam de beleza estética, e não pessoal!


"A vida é um dilema. É uma guerra. Sinto falta de pessoas que nunca conheci.
Preciso da eternidade, do amor, da magia, da alegria. Preciso dele e o quero."

"Imagens e cheiros de nossas tardes juntos ecoam por aí procurando um coração hospedeiro.
Embora o meu ainda tendo espaço, a gente finge que o sente ecoar.
Eu apenas não sei te amar menos que o resto da eternidade."

"A menina foi até o quintal, olhou para cima, para a Lua. A atmosfera que a envolvia era de pesadelo, dor. Era o fim.
E pensar que a dois anos era lindo, aquele Sol como uma bola de cor laranja uniforme, se pondo no meio de um anil calmo e sereno(e mais a noite, tudo era temperado com uma lua docemente vermelha).
Ela sente falta da vida."

domingo, 21 de outubro de 2007

Slide

"Música alta, só gritaria; cenário típico de shows. Ele me convidou para compatilhar a sensação de querer viver aquilo para sempre.
Nada de política, só música e curtição. Podíamos fazer o que quiser naquele momento; gritar, dançar, amar...
Meus nervos explodiam, sensações misturadas com as palavras, aquelas repetidas por todos. Notei aquele olhar.
A chuva começou a nos molhar, levar os maus consigo. Ele pulava nas poças que formavam, o jens e all star ficaram encharcados.
Me abraçou, ríamos num tímbre igual ao da música. Passou sua mão por meu cabelo molhado, me olhava na boca, deslisava seus dedos sedentos de carinho em meu rosto.
' Could you whisper in my ear the things you want to feel I'll give you anything to feel it comin'. ', dizia a música.
' Peace, liberty and love ', nós respondíamos uns aos outros.
Aos poucos procurou meus lábios com os seus, aos poucos ns sentimos atravéz deles."

sábado, 20 de outubro de 2007

"Vamos celebrar
A estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja
De assassinos
Covardes, estupradores
E ladrões...

Vamos celebrar
A estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação...

Celebrar a juventude sem escolas
As crianças mortas
Celebrar nossa desunião...

Vamos celebrar Eros e Tanatos
Persephone e Hades
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade...

Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta
De hospitais...

Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras
E seqüestros...

Nosso castelo
De cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda a hipocrisia
E toda a afetação
Todo roubo e toda indiferença
Vamos celebrar epidemias
É a festa da torcida campeã...

Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar o coração...

Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado
De absurdos gloriosos
Tudo que é gratuito e feio
Tudo o que é normal
Vamos cantar juntos
O hino nacional
A lágrima é verdadeira
Vamos celebrar nossa saudade
Comemorar a nossa solidão...

Vamos festejar a inveja
A intolerância
A incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente
A vida inteira
E agora não tem mais
Direito a nada...

Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta
De bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isto
Com festa, velório e caixão
Tá tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou
Essa canção...

Venha!
Meu coração está com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão
Venha!
O amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça
Venha!
Que o que vem é Perfeição!.."

"Pegue duas medidas de estupidez
Junte trinta e quatro partes de mentira
Coloque tudo numa forma
Untada previamente
Com promessas não cumpridas
Adicione a seguir o ódio e a inveja
As dez colheres cheias de burrice
Mexa tudo e misture bem
E não se esqueça: antes de levar ao forno
Temperar com essência de espirito de porco,
Duas xícaras de indiferença
E um tablete e meio de preguiça"

"E a nossa história ... não estará pelo avesso assim sem final feliz ...
Teremos coisas bonitas pra contar ...
E até lá vamos viver ... temos muito ainda por fazer ...
Não olhe pra tras ... apenas começamos ...
O mundo começa agora ... ahh!
Apenas começamos!"

Várias partes de música do Legião Urbana. Essa semana tive um "ataque" musical com Legião, peguei uns 3 CDs da sala e botei pra ouvir, alguns trechos se destacaram, como esses.
Legião escrevia aquelas músicas cabeça, tipo MPB(quase que eu ditigo um 3 no lugar do B) dos anos 60, que falava do Brasil da época, indignados com a realidade. Mas no MPB era aquelas indiretas, criticavam coisas mas com outras palavras, mas o Legião diz isso na lata. Claro, na época não tinha censura.
Falando em censura, vi um filme muito bom ontem, O Ano Em Que Meus Pais Saíram de Férias. Mas isso é pra amanhã!
E mesmo que Perfeição não seja tão recente, as coisas que diz se encaixam tão bem na nossa realidade atual.

domingo, 14 de outubro de 2007

Imagine...


Imagine - John Lennon

Imagine que não existe céu
É fácil se você tentar
Nenhum inferno abaixo de nós
E acima apenas o céu
Imagine todas as pessoas
Vivendo para o hoje

Imagine não existir países
Não é difícil de fazê-lo
Nada pelo que lutar ou morrer
E nenhuma religião

Talvez você diga que eu sou um sonhador
Mas não sou o único
Desejo que um dia você se junte a nós
E o mundo, então, será como um só

Imagine não existir posses
Surpreenderia-me se você conseguisse
Sem necessidades e fome
Uma irmandade humana

Imagine todas as pessoas
Compartilhando o mundo

Talvez você diga que eu sou um sonhador
Mas não sou o único
Desejo que um dia você se junte a nós
E o mundo, então, será como um só

Cuide bem do seu jardim!

"Cuide bem do seu jardim
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra pessoa:
Você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela.
Percebe também que aquela pessoa que você ama (ou acha que ama) e que não quer nada com você, definitivamente, não é a pessoa da sua vida.
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você.
O segredo é não correr atrás das borboletas... é cuidar do jardim para que elas venham até você.
No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!"
Mário Quintana

Cuide bem dos lírios, da grama, das rosas... assim como trará a magia e alegria para a vida, trará as borboletas.

Uma triste primavera seca...

Não chovia a semanas, mas era uma primavera. As flores e a grama daquele lindo jardim haviam secado. O rio que passava pela cidade estava vazio. As queimadas não perdoavam, faziam as cinzas ocupar o lugar da onde era verde.

Toda essa melancolia era a mais pura verdade. Semana passada minha mãe foi buscar água em Monte Alegre e só conseguiu encontrar na 4° fonte, e demorou para encher apenas um galão. Colocaram fogo em um morro inteirinho do lado do Orypaba. Só tinha pernilongo e mariposinha entrando dentro de casa. Acabei pegando resfriado e só piorava. A grama de casa secou toda.
Dava até raiva do que nós conseguimos fazer com o meio-ambiente. Depredamos tanto que ficamos sem chuva justo agora que precisava tanto(enquanto isso no Sul chovia aos montes, que inveja).
Ficamos tanto tempo sem chuva que quando voltar a chover em São Paulo, vai chover aos montes e ninguém sabe porquê. Pequeno detalhe: as queimadas que fazem agora(aproveitanto que pega fácil), prejudicam ainda mais.

Enfim, somos todos ignorantes. Todos mesmo! Meu bairro todo por ser cumplice das queimadas(ou as fazem ou não chamam os bombeiros), eu por ainda não ter concretizado a coleta seletiva de lixo aqui em casa, você por provavelmente ainda achar que não pode fazer nada ao mundo, o Bush por ser presidente do país mais poluidor do mundo, o Lula por vender etanol pro Bush(detalhe, pode ser lindo e maravilhoso isso, mas é um desmatamento danado pra produzir cana-de-açúcar), os políticos por serem corruptos(mechem pauzinhos para as leis ambientais favorecerem as fazendinhas deles).

Mas, no final tudo acaba bem, se ainda não está bem, é por que ainda não chegou ao fim!
Choveu um pouquinho ontem, hoje está chovendo mais outro pouquinho, espero que continue chovendo cada vez mais.
Mas plantas estão precisando de um pouco de nitrogênio e água pra voltarem a viver novamente, normalmente.

sábado, 13 de outubro de 2007

Quanto tempo dura um minuto?


Não sei se dá para ler, preguiça de digitar tudo isso. Qualquer coisa, clica com o botão direito, abrir em nova aba(caso estejam no Firefox, como eu).
Texto tirado do site do aspescola(sistema de notas do Villa).
Espero que gostem!

sábado, 15 de setembro de 2007

Semana... traumatizante

"Amparo, 19 de abril de 2007

Caro Senhor,
Elogiar seu programa não é necessário, você sabe que é um dos poucos que não são indiferentes a essa lama que é a nossa política, ou melhor, os políticos.
O acontecido no campus universitário na América do Norte. O autor desse desatino o Sul Coreano, pode ter um seguidor aqui no Brasil.
Políticos ganhando R$120000,000(cento e vinte mil reais) e gozando com a nossa cara, alegando que é pouco. Fora o que eles roubam.
Pessoas desesperadas, necessitando de tratamento e não é atendido.
Você sabe porque o governo nada faz pela segurança.
[...]
Será que não vai aparecer um sul coreano para fazer uma limpeza na Câmara Federal, no Senado, passar a régua em todos os políticos ladrões e cínicos?
[...]"

Esse pequeno texto foi meu avô que escreveu(ele até pediu pra eu tocar o nome do apresentador de alguma coisa, tanto é que senhor se refere a ele). Eu tava mechendo nas minhas coisas guardadas, e encontrei ele...
Posta-lo aqui é meio que uma forma de protesto aos ocorridos dessa semana.
Primeiramente, 6 anos do atentado ao World Trade Center, hoje com mais consiência do mundo... notei como aquilo tudo foi foda.
Depois, nosso querido Renan Calheiros é absolvido.
E, como nós já estamos acostumados, o mundo como ele é.

O Pavia disse que esse país não é serio. Caiu minha ficha quando ele disse aquilo, eu olhei a minha volta na sala de aula e apenas vi toda uma mentira. Isso é um país? Uma nação deixa os políticos lucrarem todo o dinheiro do povo enquanto milhares de pessoas morrem precisando de um simples alimento ou remédio que não custava nada em relação a fortuna de todos eles juntos.
Corrigindo: o dineiro não é deles, a fortuna não é deles... é nossa!

Enfim, que o mundo consiga se salvar!
Que as pessoas recuperem a humildade!

domingo, 26 de agosto de 2007

"Um unicórnio em seu jardim"

"Numa bela manhã, um homem que tomava seu café olhou para fora da janela e viu - quem dera! - um unicórnio branco, com um chifre dourado, mascando tranqüilamente as rosas de seu jardim. No conto do autor americano James Thurber, esse senhor foi então acordar sua mulher e disse: 'Tem um unicórnio no jardim, comendo nossas rosas'. Irritada, ela retrucou: 'Unicórnio é um animal mítico'. E, virando-se para o outro lado, voltou a dormir. Intrigado, o marido caminhou lentamente até o jardim. O unicórnio estava ali, beliscando suas tulipas. 'Aqui, unicórnio', chamou ele, oferecendo um lírio, que o animal comeu solenemente.
Com o coração saltitante - obviamente, porque afinal de contas havia um unicórnio em seu jardim -, o camarada foi novamente despertar sua mulher. 'O unicórnio comeu um lírio', anunciou ele. Só que agora ela ficou realmente irritada. 'Você é um demente, e eu vou te internar no manicômio!' O marido, que nunca apreciou muito a idéia de manicômios - especialmente num dia tão lindo, com um unicórnio em seu jardim -, refletiu por um momento e disse: 'Isso é o que veremos'. Mas antes de descer as escadas, completou: 'E ele tem um chifre dourado no meio da testa'.
Ao chegar novamente ao jardim, o unicórnio já havia ido embora. O homem se sentou em meio às rosas e adormeceu. Sua mulher se vestiu rapidamente. Ela estava bastante irritada e regozijava-se por ter a chance de pegar seu ridículo marido. Ligou para a polícia e depois para o psiquiatra, instruindo-os para que chegassem logo com uma camisa-de-força. Quando chegaram, ela, já muito agitada, foi logo dizendo: 'Meu marido viu um unicórnio hoje de manhã!'.O policial e o psiquiatra se entreolharam, descrentes. 'Ele me disse que o unicórnio havia comido um lírio', continuou ela. De novo, psiquiatra e policial trocaram um olhar suspeitoso. 'E também disse que o bicho tinha um chifre dourado no meio da testa!', insistiu mais uma vez. Subitamente, o policial e o psiquiatra levantaram de suas poltronas e agarraram-na. Ela resistiu violentamente, mas no final eles conseguiram dominá-la e enfiaram-na numa camisa-de-força. Foi nesse momento que o marido entrou, chegando do jardim. 'Você por acaso disse a sua mulher que viu um unicórnio?', perguntou-lhe ceticamente o policial. 'O unicórnio é um animal mítico', respondeu seriamente o marido. 'Isso era tudo o que precisávamos saber', replicou o psiquiatra. 'Estamos internando sua mulher, ela surtou de vez.' Chutando e berrando, ela foi levada ao manicômio para exames. E que fim teve o marido? Viveu feliz para sempre, concluiu Thurber.
E quanto a nós? Será que estamos vivendo felizes para sempre? Ou estamos nos confinando nas camisas-de-força do racionalismo intelectual? Vivendo quase entorpecidos por uma tecnologia cada vez mais utilitária, será que não estamos perdendo o espírito de deslumbramento e encantamento?
A fantasia não é um escapismo. É uma ferramenta crítica para desenvolver pensamento divergente e competência na resolução de problemas, explica a pesquisadora Sandra Russ, da Universidade Case Western Reserve, nos Estados Unidos. 'Pensamento divergente é a habilidade de gerar diferentes idéias sobre determinado tópico. Ele permite que as pessoas se tornem mais aptas a solucionar problemas e mais capazes de lidar com estresse e adversidade', diz.
Como poderemos sobreviver sem fantasia num mundo cada vez mais desprovido de magia e acolhimento? Será que, contrariamente ao conto de fadas, somos príncipes e princesas nos transformando em sapos?
Espero que, quando você acorde amanhã e olhe pela janela, veja um unicórnio em seu jardim. E eu espero ver um também."
Susan Andrews, Revista Época, 11 de junho de 2007.

Tanto tempo sem postar, eu queria voltar com algo realmente bom... creio que aí está. Não é de minha autoria, mas é algo que eu acredito. Espero que com ele façam um bom proveito e assim que acordarem amanhã vejam um unicórnio em seu jardim(quem sabe no quintal).

sexta-feira, 29 de junho de 2007

Assunto: sem assunto

Oie, pessoas!Fiquei um tempo longe por questões de saúde! No sábado peguei uma virose horrível, fui no PA e talz. No domingo ainda não tinha tido tempo pra escrever um post bom, porque eu tenho que já ter em mente o tema. Segunda não fui no colégio, ainda com mal estar. Na terça estava melhor e fui, era última semana de aula. Quarta eu fui mas voltei mais sedo, já que minha ânsia tinha voltado. Quinta não deu tempo de nada, fui atrás de muita coisa e eu só consigo fazer post rápido nos flogs!Aqui não. Aqui demora. Eu tenho que pensar no assunto, escrever com toda a calma do mundo, falar tudo o que eu penso... digerir bem o assunto e escrever com boas palavras. Ou seja, jamais poderá ser feito na pressa de uma pausa na lan antes de pegar o ônibus.
O que quer dizer: esse post está sendo feito na quinta a noite.Só pra eu dar sinal de vida. E falar com calma o que eu tenho pra falar.Na verdade, eu não sei o que eu tenho pra falar. Por isso, estou digitando pra enrrolar o bastante até que surja algo na minha mente.
Eu realmente não sei o qeu escrever aqui. Procurei arquivos bons pra iniciar um assunto, mas não encontrei.Penso em colocar algumas coisas antigas que eu já escrevi, mas eu acho que não se encaixa muito bem aqui.Quem sabe esse post seja bom pra uma reflexão. Como: "só duas pessoas o acessam". Agradeço a essas duas pessoas. Achei que estaria escrevendo pra mais gente, só que, fazer o que. A gente só alcança o que consegue alcançar. Pelo menos tem pessoas lendo o que eu escrevo.Outra reflexão: "o que eu faço com esse blog". Até agora eu pego um assunto e falo sobre ele no meu ponto de vista. Ás vezes viajo um pouco no assunto. Isso tem um nome: argumentar. É tão bom e legal ficar escrevendo coisas no seu ponto de vista, onde as pessoas antes de te interromper vão ler tudo, pensar a respeito e depois irão opinar. É o que geralmente acontece.Mas os meus assuntos nem sempre são os melhores. Como esse.
Me dou a liberdade de além discutir assuntos, discurtir textos e... acontecimentos, digamos.Explicando: além de falar sobre "desconectar do computador" e "dia dos namorados", vou colocar em discussão alguns textos que eu ando escrevendo, ou que alguém escreveu e eu gostei. E, apenas pegar algum momento e ir dissertando sobre ele.Como o fato de ficar uma hora no telefone com o meu melhor amigo que tá no Japão(que é um dos dois leitores) e como os dias(principalmente os frios) ganham tanta magia e beleza apenas por ser férias.
Acho que falei o bastante.Agora aquele cheiro maravilhoso do arroz doce já me torturou o bastante.Tá na hora de comer ele!;]
Até mais, dois leitores!

sábado, 16 de junho de 2007

Mudanças

Hey!
Agradeço aos comentários, finalmente! Achei que eu ia levar esse flog sozinha, sem ninguém ler ou comentar. Mas, finalmente se provou o contrário!
O dia dos namorados foi mais interessante paa mim pensando isso: "melhor ter alguém falando 'te amo' em vão ou ver que todos estão sendo sinceros mesmo quietos".
Foi melhor não ter ninguém. E como vocês passaram?

Hoje eu vim aqui para falar de mudanças. Eu entrei no blog e vi que eu tinha que postar, mas não sabia o que. Eu achei que ia fazer um post sobre "o mundo está ficando louco". Mas mudanças é quase isso mesmo.
Os meus anos passam e eu vejo o que mudaram em mim, os anos dos meus amigos fazem o mesmo. E em todos eu noto o quanto mudaram. É tão triste ver o que o tempo faz com o físico das pessoas e, ás vezes, o psicológico também; vendo o que muito tempo faz. É impressionante observando em pouco tempo.
Alguns ficam mais fortes, mais bonitos, mais alegres, mais soltos, mais experientes, ou até mais fracos, mais tristes, mais sozinhos.
Quando você faz coisas que não era comum seu, muitos estranham e discriminam. Mas, para que ser igual sempre? Porque não mudar?
É só saber mudar. Tem gente que perde amigos por puro orgulho e acaba mudando pra uma coisa que essa pessoa nunca gostou. É tão difícil mudar e largar o orgulho? Eu acho que não.
Eu considero que mudar o avatar, profile, cores do flog, nick do MSN é uma coisa que te renova por dentro. Geralmente imagens, cores e palavras representam o estado de espírito. Eu adoro mudar tudo por conta disso, principalmente as cores do flog(de preto de roxo, evolui pra verde, laranja, vermelho, azul e, como ninguém é de ferro, um fundo preto).
Alguém já notou como mudar a maneira de tirar fotos também é discriminada? Sofri isso algumas semanas atrás, quando eu notei que fazer poses pra "ficar bonitinha" era ridículo. Tirei foto minha de como eu era: sorrios espontâneos(vendo algumas fotos dos amigos e tirando foto das caras que eu fazia ao vê-las), cantando, dançando sentada, rindo, bocejando... coisas que eu faço todos os dias. E não poses forçadas que eu faço só para o momento. E as fotos ficaram maravilhosas, principalmente quando eu imitava poses de outros amigos.
Não só as pessoas mudam, mas a Terra. A Terra é alterada por conta das mudanças das pessoas que nela vivem. Mas, calma, eu não vou falar sobre o estado da Terra, porque isso é assunto mais pra frente(o que vai levar muitos posts para ser falado completamente). Mas essa tendência das pessoas mudarem "pro mesmo rumo" se chama moda! Isso também não vem ao caso agora.
Mas falando sobre o motivo desse post quase ter sido "o mundo está ficando louco". Ande nas ruas, leia jornais, ouça músicas, entre em lojas. As pessoas se importam menos com a vida das outras(se alguém tá doente, isso não vai me interessar. Se 180 pessoas morreram por conta de um terremoto na China, isso não me importa), pessoas morrem diarimente, a política é cada vez mais corrupta, os preços dos CDs está barato demais e as pessoas ainda baixam pela internet(eu sou uma delas).
Sabe qual foi a mudança que eu li num jornal que mais me deixou surpresa e ao mesmo tempo motivada? Adolescentes largando computadores por contra própria, por que descobriram que há mundo em volta dele. Li isso na FolhaTeen dessa semana, garotos e garotas que passavam a tarde e noite toda no PC descobriram o que perderam ficando demais online(dispensaram passeios, festas, dias lindos, filmes, livros, estudo). Mas, felizmente, notaram que a vida é muito mais que um orkut, um msn, um blog... alguns deles já estão 4 anos offline.
Muitas vezes nas férias eu tentava fazer isso, me prometia que ia ficar alguns dias sem entrar, ia nadar ou tomar um pouco de som, ia tentar encarar uma mini-academia, ia ler mais livros do que já estava lendo... ia passear nesse mundo real que eu tinha. Nunca conseguia. Mas, eu não sou uma viciada. Só fico muito on durando finde e entro na lan apenas para ter notícias de amigos(coisa de 15 min).

Bom... lição de moral.
Mude sempre! Pra melhor.
E se for viciado em PC, descubra o mundo real.

segunda-feira, 11 de junho de 2007

Dia dos namorados

Heeey, galera!
Mais um post aqui... é só pra falar do que anda acontecendo.
É tão triste estar na véspera do dia dos namorados sabendo que no dia seguinte será uma alma solitária dentre tantas juntas.
Na verdade, analisando de um outro ponto, a gente não tá falando "te amo" pra alguém só porque é dia dos namorados. Eu acho horrível falar te amo pra uma pessoa que sabe que não vai ficar com ela pra sempre, e um dia vai acabar a odiando.
Minha primeira esperiência com "te amo" foi ridícula, falei sem saber seu verdadeiro significado, e acabei ficando no vácuo, não ouvi "te amo" de volta.
Segunda esperiência foi um pouco menos ruim, esperei um certo tempo pra falar isso. Deu certo, pra mim deu certo. Eu disse te amo quando senti que era o momento que eu tava começando a aprender a gostar da pessoa. Mas no final, eu fui largada de um jeito ultra ridículo, ainda nem sei o que aconteceu. Então, pelo modo como fui tratada, odiei a pessoa.
Ainda não tive uma segunda esperiência, mas eu sei que quando os namorados dizem "te amo" elas falam apenas que gostam de você. Sério. Namoro só é pra sempre quando tu está maduro o suficiente pra casar ou morar junto, ou seja, levar tudo mais a sério.
Assim que ouvir todos aqueles "te amo" que os namorados vão trocar amanhã, se lembre de sua vivência. E antes de dizer "te amo" amanhã, reflita: "mesmo eu desobrindo outra pessoa, mesmo eu perdendo o interesse por essa, mesmo eu descobrindo coisas nela que eu não gosto, vou ser capaz de querer o bem pra ela, vou ser capaz de amar, vou querer ajudá-la quando tiver uma dificuldade?".
Um dia eu prometi que seriamos amigos, apesar de tudo. Eu cumpri, até onde ele não cumpriu. Se disser "te amo" e isso terminar, pelo menos faça um trato de serem amigos e cumpra. Se a pessoa não matou tua família, não te roubou nem te chifrou, não tem porque odiá-la.
Isso é apenas a opinião de uma garota que acha que "te amo" não é passageiro, se for, saiba usar na hora certa.

Bye!

Aliás, meus amigos, amo vocês!

domingo, 10 de junho de 2007

Primeiro post!

Han... tava sentindo falta de escrever algo sem precisar de foto.
Se bem que eu gosto de postar no www.flogao.com/yakari e agora no www.fotolog.com/crazy_pig .

*May comendo uva*
Domingo chato...
Nada pra fazer, a não ser ficar aqui olhando pra tela.
Ju tá off.
Aiko tá off.
Mário tá off.
Kihan tá on só no orkut.
Amie tá como volto logo.
Ogro tá off.
Drey tá off.
Tá um dia chato.
Ainda que minha mãe foi pra Águas de Lindóia e eu decidi ficar aqui, achando que ia passar o dia todo escrevndo, lendo e baixando música. Claro. Hoje um fiz um fotolog, invadi o /aiko_san, arrumei meu álbum.
Blah...
Ainda tenho que passar a limpo a matéria de física. E arrumar meu quarto. E escrever o texto da EPTV. E escrever as outras versões do texto do tempo.
Tô cheia de coisa pra fazer mas tô sem vontade para fazê-las.

Acho que é esse o início.
Eu espero.
Com o tempo eu vou postando músicas, vídeos, fotos, textos...
E... ânimo.

Bye