sábado, 8 de março de 2008

Pintado de azul marinho

Eu queria lhe dizer coisas mas as palavras não me saem porque me cabem. Mas você já deveria ter notado, talvez o costume tenha lhe tornado insensível aos outros olhares. Aquele abraço não era um de osmose, era um de despedida.
Deveria ter aprendido, desde o início, que a abstinência não justifica. É melhor aprender logo que aquelas coisas doidas, coisas nossas, podem ter sido a ultima vez. Porque, como já disse, tornou insensível.

Ela o abraça depois de um longo beijo, ele gosta de morder seu lábio. Ela faz o mesmo em si mesma, o faz por provocação. O abraço vem em boa hora, porque as mãos grossas dele quer encontrar com a suavidade dela. Mas, ele não sabe o que tudo isso significa.

2 comentários:

Anderson disse...

OMG que lindo *____*

nossa lindo demais!!!!!! ^^

te amo amo amo amooooooooo ^^

beijooooooos

Mandiiê disse...

Isso me é tão conhecido...faz tão parte da minha vida. A mordida, o puxar, o sussurrar no ouvido...

Parece que todos os casais são iguais não é?

UM BEIJOOO!

:**