segunda-feira, 30 de junho de 2008

Fim

Decidiu por tomar um copo de vinho, acabando com sua vida, porque aquilo seria a última coisa que poderia ter a coragem de fazer. O pior não era a mágoa, era a raiva, ela não queria sentir aquilo; vê-lo fazendo aquilo tirava sua coragem de recomeçar. Era a mesma roupa, aquela jaqueta que já lhe cobriu no frio; aquela boca que beijou a outra na boca, e, depois, no pescoço. Prestes a cometer uma traição, talvez sim; tinha fúria no olhar enquanto via a cena do filme que era a sua vida. Ele a amava, dizia isso todas as tardes frias em que a abraçava ou quando a levava para conhecer as montanhas, ele não mentia. E quando ela se deu por si, a vida reprisava em sua retina, como se o fim estivesse próximo. Mal chegou na festa e já se deparou que nada ia bem, a noite não ia ser longa, porque a noite acabara naquele olhar. Ela se arrumou tão bem, nunca se sentiu tão linda, e ia vê-lo, o amor de sua vida.

Um comentário:

Anderson disse...

=OOO

eu fico sem palavras pra descrever seus textos May... acho que é muito pra cabeça deste mero plebeu x__X

acho que só posso dizer o de sempre...

ficou ótimo! *___*

te amo!

to com saudades...

beijos!