domingo, 31 de maio de 2009

Ismália

Alphonsus de Guimaraens





Quando Ismália enlouqueceu,
Pôs-se na torre a sonhar...
Viu uma lua no céu,
Viu outra lua no mar.

No sonho em que se perdeu,
Banhou-se toda em luar...
Queria subir ao céu,
Queria descer ao mar...

E, no desvario seu,
Na torre pôs-se a cantar...
Estava perto do céu,
Estava longe do mar...

E como um anjo pendeu
As asas para voar...
Queria a lua do céu,
Queria a lua do mar...

As asas que Deus lhe deu
Ruflaram de par em par...
Sua alma subiu ao céu,
Seu corpo desceu ao mar..

sábado, 30 de maio de 2009

Um vida que eu mal conheço

Ele acorda todos os dias às sete horas da manhã com o despertador, acende o abajur, levanta-se e abre a janela do quarto para ver a cidade logo de manhã. Abre o armário e escolhe uma camisa, uma calça e um casaco, veste-os tranquilamente, coloca o sapato, apaga o abajur e parte para o banheiro, onde lava seu rosto e olha sua imagem pelo espelho, ajeita o cabelo com a escova. Na cozinha ele põe a cafeteira para verter a água quente sobre o pó fresco de café, pega o açúcar na dispensa e uma xícara no armário. Desliga a cafeteira, tira o bule e se serve de café, duas colheres de açúcar são o suficiente. Levanta a xícara na altura do rosto e assopra o líquido enquanto anda pela cozinha procurando algo para comer, encontra uma broa que havia comprado no dia anterior. Toma o café intercalado com algumas mordidas na broa, assim que termina lava a xícara e o bule na pia. Vai para o banheiro e escova os dentes. Ao passar pela sala pega sua maleta em cima da poltrona, as chaves em cima da TV e sai pela porta, trancando-a. Entra do elevador, aperta o botão do térreo, desce e pára no primeiro andar, uma mulher entra, se cumprimentam, e segundos depois chega ao seu destino. Saí pelo saguão, o porteiro abre o o portão dando-lhe bom dia.
Caminha algumas quadras ao norte, sempre olhando os jardins dos prédio e casas. Chega a estação de metrô, desce alguns degraus, passa pela catraca e espera na área de embarque. Tira o blackberry de dentro da maleta e verifica seus e-mails. Entra no vagão assim que chega, vazio, senta no banco mais próximo. Acessa o twitter e responde alguns recados. Alguns minutos e sete paradas depois, desce do metrô, passa pela catraca, sobe a escada rolante e anda por uma grande avenida.
Atravessa algumas ruas e chega a um prédio grande e medieval, entra e caminha por extensos corredores iluminados pelo nascer do Sol. Chega a uma sala, com poucas pessoas, senta-se na primeira carteira que encontra. Tira da maleta um livro e um caderno, confere a previsão do tempo no blackberry e confere os e-mails de novo. Mais pessoas entram na sala junto do professor. Assiste a duas horas de aula ininterruptas, fazendo anotações no caderno. No intervalo vai a cantina e toma um suco. Volta para a sala, outro professor entra e tem mais duas horas ininterruptas de aula. Sai da sala, atravessa os corredores extensos, chega a avenida, caminha de volta para a estação o metrô, desce a escada rolante, passa pela catraca e entra no vagão que acabou de parar. Após 5 paradas, desce, passa pela catraca e chega a uma outra avenida, a atravessa e entra em um restaurante, tira o casaco. Senta-se em uma mesa pequena, pede um prato executivo de frango grelhado com manjericão, arroz e creme de milho. Toma água enquanto espera. A refeição chega, come, intercalado com alguns goles de água. Ao terminar, pede a conta, entrega o cartão ao garçom, assina a nota, coloca o casaco e sai do restaurante. Anda pela avenida no sentido oeste, entra no prédio de uma grande empresa, entra no elevador e aperta o botão do quarto andar, lá atravessa alguns corredores e chega no RH.
Tira o casaco, senta-se a mesa, liga o computador, abre a maleta e tira alguns papéis de dentro. Confere os e-mails, entra no twitter e responder a outros recados. Trabalha durante horas, lendo e-mails, recebendo mais papéis, escrevendo e-mails. Recebe pessoas de outras áreas da empresa, conversa com algumas, entrega papéis a outras. Levanta-se, vai até a cozinha do quarto andar, pega uma xícara em cima do balcão, serve-se do café recentemente passado. Vai com a xícara até a mesa, trabalha intercalando com alguns goles do café. O sol ameaça a se por. Desliga o computador, fecha a maleta, coloca o casaco e sai pelo elevador. Chega no térreo, despede-se de algumas pessoas. Sai do prédio, atravessa a avenida, anda duas quadras no sentido leste, vira ao norte e segue por mais três quadras. Avista a costa e caminha mais rápido.
Passa por uma praça, atravessa uma rua, anda pela calçada e chega a areia. Tira o casaco e o coloca sobre o braço, tira o sapato e a meia, sente o solo diretamente em seu pé. Caminha em direção a um porto medieval, sobe na mureta de pedra, caminha pelo cais e se senta observando o mar. O Sol deita-se sobre a água e é logo consumida por ela. Veste a meia, o sapato e o casaco. Atravessa a calçada, a rua, a praça, algumas ruas e a avenida, entra no metrô, passa pela catraca, entra no vagão lotado, 5 paradas depois desce, passa a catraca, sobe alguns degraus e entra em um bairro residencial. Caminha algumas quadras ao sul, o porteiro abre o portão enquanto lhe deseja boa noite, ele entra no elevador, aperta o botão do sexto andar, entra no apartamento.
Coloca as chaves em cima da TV, coloca a maleta na poltrona, liga a TV, acende a lareira, tira o casaco e o deixa no quarto. Entra na cozinha, lava as mãos, pega na geladeira a comida feita no dia anterior, tira um prato do armário, aquece a comida no micro-ondas, senta-se na mesa e come. Levanta-se e lava a louça, seca as mãos e deita no sofá. Troca de canal algumas vezes, pega o celular na maleta, confere os e-mails, entra no twitter. Desliga a TV, entra no quarto, pega o pijama, vai para o banheiro. Tira a roupa, joga-a no cesto de roupa suja, liga o chuveiro e coloca-se debaixo da água quente. Lava o cabelo com o shampoo, pega o sabonete e lava-se. Desliga o chuveiro, pega a toalha pendurada do lado de fora do box, seca-se e coloca o pijama. Pendura a toalha, vai para a cozinha, pega uma xícara e um bule no armário, coloca água no bule e coloca a água para ferver. Pega um sachê de chá de maçã na dispensa, coloca na xícara, retira o bule do fogo e verte a água sobre o chá. Espera alguns minutos, tira o sachê e coloca açúcar. Deita no sofá, liga a TV e coloca no telejornal. Termina o chá, desliga a TV, deixa a xícara na pia da cozinha, vai para o banheiro, escova os dentes, entra no quarto, acende o abajur, fecha a janela, pega um livro na estante, senta na cama, lê um pouco. Fecha o livro, coloca-o o chão, apaga o abajur. Cobre-se com o cobertor, fecha os olhos. Ele sonha.
Sombras misteriosas
no pátio dormem.
E ao som da meia noite
na tristeza ficam.
A dor, não se sente,
caído no sono
a apenas a calma sente.


Alguns rabiscos numa folha de fichário, por volta de 2006, aparentemente escrito durante a aula.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Eu olho para todos os cantos dessa cidade, procurando uma imagem.
Mas eu nem vejo você.


A minha foto não está aqui...

domingo, 17 de maio de 2009

Novidades

Hey, pessoas!
Eu vim agradecer os vários comentários, é mais gente do que eu estou acostumada, então fica difícil responder a todos os comentários.
Vim agradecer a Breda que me indicou um selinho, maior legal :D
Eu tenho que escrever uma lista com 8 características minhas e convidar 8 blogs para responder também.

-Esquecida
-Viciada em café
-Leitora compulsiva de horóscopo
-Baixinha
-Colecionadora de um monte de coisa
-Chocólatra
-Fazedora de pérolas
-Escritora compulsiva

E blogueiros para me acompanhar nessa:
-Submarina
-Oohmygod
-Mario Cau
-Caminho
-Juliana
-Augusto
-Yes, whatever
-Como perder aquela garota

Tem esse selinho, mas nem sei se é obrigatório...



Bom, é só isso!
Saindo do final de semana incrível!
Teve trilha sonora!!
Sweet Little Sixteen, The Beatles!
hahaha

Feliz aniversário atrasado para:
Robert Pattinson
Meu priminho, Tomaz!
Sivi, amiga alemã da família
Jessie
Mariana Guerra

Beijos galera

Porque o mar não se apaixona por uma lagoa?

Há um tempo atrás eu me peguei pensando no porque eu havia me apaixonado por aquele garoto(você sabe, aquele), a minha resposta foi a lembrança de um pequeno trecho de Crepúsculo, "o amor é irracional". Uma verdade tão bobinha mas que fez o maior sentido na minha vida.
Eu não parei de pensar no assunto, principalmente porque minha amiga me chamou de idiota depois de contar pra ela do garoto. Porque eu era uma idiota se aquilo não era consciente. É bem melhor o amor ser inevitável, imagina uma pessoa que não se interessa se apaixonar por ninguém, o que ela faz? Vive décadas sem motivo?
Eu até penso o contrário quando me perguntam "porque a gente sempre escolhe quem não deveria?". Lógico que devia! Nós deveríamos nós apaixonar sempre pela pessoa errada, é uma lição tão importante na vida se redimir a uma pessoa diferente.
Platão dizia que tudo que vinha dos sentidos não era válido, não aprenderíamos com aquilo, Aristóteles acreditava no contrário, a razão e o sentimento se complementavam. Este estava mais do que certo, evoluímos através dos sentidos. Tipo a Arte, o homem não conseguiria viver sem ela. Assim como nós não conseguimos viver sem se apaixonar.
Ninguém nunca vai descobrir "a fórmula do amor" e nem porque "meu coração bate feliz quando te vê". Sabe porque o amor é incrível? Porque ninguém consegue controlá-lo.



Texto para o site da Revista Capricho

quinta-feira, 14 de maio de 2009

A prática faz a perfeição

Graças a minha pouca idade, eu sempre soube muito das coisas apenas na teoria. Tendo prática zero. Eu até me surpreendo com isso. Você pode me perguntar qualquer coisa sobre sexo, eu saberei responder. Mas eu nunca vivi isso(é isso aí, assumindo blogosféricamente a minha virgindade).
Eu até percebo que entre as minhas amigas isso é um assunto pouco comentado. Apesar de achar legal saber o que elas pensam sobre, sempre que a gente chega perto, alguém lembra da prova de química e lá se foi a minha oportunidade.
Talvez, por falta da tal experiência, isso meio que ainda seja um tabu pra mim. Conversar com a minha mãe é ainda mais constrangedor, felizmente eu já passei pela conversa, e sobrevivi.
Sexo é uma palavrinha tão pequena mas causa tanto pavor, expectativa, medo, dúvida e, até mesmo, êxtase. Acredito que, se fazê-lo com amor, êxtase é pouca(apenas uma suposição de teoria).



Texto para o site da Revista Capricho
E que, no inferno astral, me fez pensar sobre a adolescência + idade. É, a gente amadurece nesse inferno astral.

domingo, 10 de maio de 2009

Faço essas as minhas palavras

Carinhoso, by Pixinguinha.

"Meu coração, não sei por que
Bate feliz quando te vê
E os meus olhos ficam sorrindo
E pelas ruas vão te seguindo
Mas mesmo assim
Foges de mim"

Eu gostaria de entender a razão pela qual, depois de tanto tempo, eu ainda sinto a mesma coisa. Essa era a minha música naquela época, eu cantava esses versos desde que te vi. Eu voltei a cantá-los.

"Vem, vem, vem, vem
Vem sentir o calor dos lábios meus a procura dos teus
Vem matar essa paixão que me devora o coração
E só assim então serei feliz
Bem feliz"

Dizer que me devora o coração é muito pouco. Ela me extermina completamente. Eu não tenho mais vida própria enquanto isso que eu tenho aqui dentro não ter liberdade. Eu aprisionei esses sentimentos sem um motivo concreto, talvez para não me machucarem, do que adiantou? Eles me corroem. Eu preciso permitir a manifestação deles. A manifestação externa, e não apenas deixá-los comandando minhas ações e meus pensamentos.

"Meu coração, não sei porque..."

sábado, 9 de maio de 2009

Desabafo da Semana

Eu quero entender o que se passa na cebeça dos meus conterrâneos quando maio chega. Todo mundo fica animado, incluisive eu, que conto os dias para o meu aniversário. Mas o mundo ao meu redor só pensa em outra coisa: rodeio. Eu odeio. Sim, esse é o mais comum clichê dos vegetarianos, mas alguém tem que me explicar o que é tão legal em um rodeio. O que tem de tão legal em um show de sertanejo ou, o mais estranho de tudo, axé. Alguém me diz porque a Claudinha Leite toca no RODEIO? Eu jurava que rodeio era cultura do interior, e não do litoral baiano.
A frase que eu mais ouvi essa semana foi: "você vai o rodeio?". Nem EU escapei dessa(isso porque quando um professor critica o rodeio eu sempre dou uns gritinhos de "é isso aí, você tá certo"), estava, inocentemente, lendo jornal no intervalo e uma das loiras da minha sala perguntou isso. Eu sei que eu sou um pouco antipática, mas eu achei muito estranho aquilo. Eu disse que não, eu sou contra e que minha irmã vai e não gosta que eu vá junto. Eu só tive tempo de pronunciar o "não" e ela se virou para minha amiga do meu lado e fez a mesma pergunta. Ficaram 5 minutos falando do namorado que já foi pra Barretos.
Até na primeira aula de quinta, que o professor sempre fala de futebol, ficaram discutindo se a Claudinha(a essa altura ela já virou minha amiga íntima) cancelou ou não o show. O terceiro ano até ligou pra Red(quem não sabe, é a casa de shows onde se realiza o "evento") no meio da aula de matemática para saber das últimas.
Gente, na sexta parecia que a Gripe A tinha se alastrado pelo Brasil, tinham 7 alunos na primeira aula. Porque? Porque a maioria foi no rodeio quinta a noite. As garotas da minha sala pareciam cambistas, querendo vender as entradas do show da Claudinha que virou Banda Eva. Se ferraram.
Me desculpe quem gosta de rodeio, mas eu ainda quero entender qual é a diversão de ficar se esfregando no meio de um monte de caipira só pra assistir um show. Ah, eu acho que sei a graça, a entrada custa só 10 reais. Olha o nível do show!

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Outro assunto manjado

-Tá frio - A diz.
-É - B diz.
-Vai fazer mais frio no inverno - A diz.
-É, pelo visto - B diz.

internamente:
VEM FRIO, VEM!!!



"Decode"? Acho que sim!
Cold...
Make you way to me... to me

terça-feira, 5 de maio de 2009

Assunto Manjado

-Quer um café? - A pergunta.
-Quero - B responde.

(espaço de tempo indefinido)

-Quer outro café? - A pergunta.
-Quero - B reponde.

(espaço de tempo indefinido)

-Quer mais um café? - A pergunta
-Quero - B respone.

(espaço de tempo indefinido)

-Quer

domingo, 3 de maio de 2009

SALE!!!

"Promoção" é uma das palavras que nos leva ao delírio, seja o que for, a vontade de olhar a vitrine é incontrolável! O problema é quando a vitrine é mara, mas nenhuma palavra do tipo "desconto" existe ali. E mil desculpas passam pela cabeça, por exemplo, "eu não tenho um vestido preto assim", "eu preciso mesmo comprar um casaco".
Todo mundo sabe que é saudável gastar o suado dinheiro, e, quando se está na adolescencia(definindo, quando se depende da mesada que os pais nos dão), é até proveitoso(educacionalmente falando) "falir" um mês ou outro(pronto, já dei uma desculpa para vocês usarem quando faltar dinheiro no meio do mês). Mas o ruim é torrar tudo que se tem(até o que não tem) no primeiro final de semena do mês.
Para a maioria da mulheres, pelo menos ao meu ver, é completamente comum comprar quase tudo que dá vontade, tipo, o que precisa e o que simplesmente quer. Só que os homens, muitas vezes, não entendem isso. Tenho certeza que foram eles inventaram essa fofoca de que mulher não sabe se controlar na frente de uma promoção.
Tá certo que é verdade, mas só sendo mulher para entender o que acontece. Não adianta ser gay, metro nem travesti, só as mulheres entendem o verdadeiro prazer de fazer compras. Seja delirando na loja ou sendo só o que é necessário. O sentimento de poder é tentador.
Claro, a gente quer sentí-lo o tempo todo.


Texto para o site da Revista Capricho.

Isso são horas, menina?!

Na adolescencia é assim: tem que seguir todas as regras que os nossos pais nos impõem. Até aí tudo bem, eles sabem o limite que devemos ter. Mas quando o governo determina o horário para voltar pra casa, não rola! Para evitar que menores de idade entrem em problemas, algumas cidades fazem o toque de recolher. Ótimo que eles se preocupam com a nossa segurança, mas é assim mesmo que se faz?
O que impede um garoto de 14 anos não se envolver com drogas às cinco da tarde? E o que garante que uma garota de 16 anos esteja a salvo indo para a escola logo cedo? Segurança não é uma questão de horário e lugar. Um adolescente pode andar sozinho por uma rua às duas da madrugada, se for tudo bem monitorado, não há porque não se sentir seguro.
Ao invés de irritar jovens menores de 18 anos essas medidas, deveriam mesmo era investir da educação deles. Com toda a certeza, se eles tivessem uma escola boa, se preocupariam mais em dormir cedo para poder aprender. Mas não há um estímulo para a "sede do saber". O que leva a maior parte deles passar suas noites de segunda a segunda na rua, procurando coisas mais interessantes, como drogas, por exemplo.
Digamos que há várias formas de manter os jovens seguros, uma forma, a mais fácil, é usar regras e toques de recolher. Outra é educá-los e eles mesmos percebem o que é certo e o que é errado. Bom, o governo usa a mais fácil!

Texto para a Revista Capricho

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Jogo: perguntas bobas, respostas boas – O Retorno

Pra quem lembra da primeira parte, acho que dá pra comparar as mudanças!

COMPLETE:
- Eu tenho: quase tudo que eu quero
- Eu desejo: ler muitos livros
- Eu odeio: adolescente que tá mais pra criança
- Eu escuto: todas as músicas do meu MP3player
- Eu tenho medo de: fogo
- Eu não estou: satisfeita
- Eu estou: escutando Rob Pattz
- Eu perco: minha juventude a cada dia
- Eu preciso: recuperar química
- Me dói: aindar gostar do ex

SIM OU NÃO?
- Tem um diário? Sim
- Gosta de cozinhar? SIIIM
- Gosta de tempestades? Não muito
- Há algum segredo que vc não tenha contado à ninguém? Sim, e eu não vou te contar!
- Acredita no amor? Claro
- Toma banho todos os dias? Ahhh, então, né?!
- Quer casar? Sim
- Quer ter filhos? Sim

QUAL É?
- A frase que mais usa no msn: omg
- Sua banda favorita: agora é Muse
- Seu maior desejo: não precisar fazer outro aparelho móvel
- 3 Lugares estranhos em que vc transaria: na lua, em uma campina de Forks e debaixo da Torre Eiffel

OUTRAS PERGUNTAS
- Signo: Touro
- Cor dos olhos: Castanhos claros
- Numero favorito: 157
- Dia favorito: todo dia, menos dia de prova e de faxina
- Mês favorito: Outubro
- Estação do ano favorita: Inverno
- Café ou chá? Café, café, café

VOCÊ
- Tem problemas de auto estima: não mais
- Abriria mão de ficar com alguém muito gato por respeito ao próximo: puuutz, complicou, hein?
- Iria a uma micareta: JAMAIS!
- Cuidaria de amigos bêbados: Sim
- Dá toco sem problema nenhum: Acho que sim

NAS ULTIMAS 24HS VC:
- Chorou? Não, mas quase
- Ajudou alguem? Sim
- Ficou doente? Não
- Foi ao cinema? Não
- Disse “te amo”? Sim (né, Juh?)
- Escreveu uma carta? Não
- Falou com alguem? Sim
- Teve uma conversa séria? Não
- Perdeu alguem? Não
- Abraçou alguem? SIM! (A estampa da minha blusa era: "Have you hugged my t-shit today?", daí um monte de gente respondeu)
- Brigou com algum parente? Sim
- Brigou com algum amigo? Não

ALGUMA VEZ VC PODERIA:
- Beijar alguem do mesmo sexo? Yep
- Fazer sexo com alguem do mesmo sexo? Não sei
- Saltar de paraquedas? Opa! Lógico!
- Cantar em um karaoke? Sim
- Ser vegetariano? Siiiim
- Se embebedar? Hoje a noite?
- Roubar uma loja? Nem
- Se maquiar em publico? Falta de educação!