quinta-feira, 16 de julho de 2009

Eu, a solidão e eu

Durante anos me vi repleta de amigos, nunca passava um intervalo sozinha. Sempre ia à cantina com minhas amigas, se o papo estava chato, sentava no banco com alguma outra turma. Nem nos meus 3 primeiros dias no 1° colegial em uma escola nova fiquei sozinha, tinha a uma colega do outro colégio e, de sobra, um garoto que pegava ônibus comigo. Depois desses dias, voltei para a escola antiga, continuei com vários amigos. Até no final do ano mudar novamente, então eu percebi quantos amigos furados eu tinha. Ninguém se importou em mandar um scrap ou convidar para sair. Continuaram vivendo, saindo, se divertindo, nunca me ligaram.
Decidi não pensar no assunto. Deixar rolar. Percebi que os poucos amigos eram bons. As férias passaram, sozinha ou com primas. As aulas voltaram, tinha amigas na escola nova, então estava tudo bem. Conversávamos sempre no intervalo, como sempre, não estava sozinha. Acabei até fazendo amizade com uma outra garota que sentava na minha frente. Estava tudo bem. Saia sempre com a minha prima, nunca com amigos.
Um dia, sem aviso ou razão, uma das minhas amigas do colégio parou de falar comigo. Era insuportável, ela sentava do meu lado mas não trocava uma palavra comigo. Ela só conversava com a garota da frente e eu também só falava com esta. Comecei a passar os intervalos sozinha, fui achando normal ouvir música e ler livros no intervalo. Eram 40 minutos meus, só meus.
Chegava na escola, deixava minha mochila na sala, ficava meia hora na frente da escola ouvindo música e sentindo o frio da manhã, sempre sozinha. Até a única amiga da escola antiga parou de se importar, deixou de ligar e mandar recados. Então deixei de visitá-la.
Me isolei porque me isolaram. Percebi que a única amiga que tinha, a única que poderia contar para sempre, a única que jamais deixaria de me receber era a minha prima.
Senti a solidão pura. Fazia tudo sozinha. Passava as tardes sozinha. Deixei de receber telefonemas e, consequentemente, deixei de fazê-los. A vida era só minha. Aprendi a enfrentar todos os problemas sozinha. O maior desafio foi enfrentar sozinha a solidão. Por mais estranho que pareça. Naquele momento a solidão era ruim, mas hoje a vejo com outros olhos.
Eu não precisava mais fingir para agradar os outros, eu não precisava agradar ninguém, só a mim mesma. Eu não me vestia para os outros, eu apenas agradava a mim mesma.
A solidão me libertou. Eu só tinha a mim, então eu era a única que precisava ouvir, ajudar e divertir. Sozinha eu aprendi a me conhecer melhor, já que era comigo mesma que eu passava a maior parte do tempo.
Parei de escrever, se escrevia, não era bom. Eu não precisava escrever para mim mesma. Eu contava as histórias para mim mesma em pensamento. Eu vivia as minhas histórias.
A parte ruim da solidão é que, depois de alguns meses, virei um lixo. Eu tinha que me ajudar, mas não conseguia me ajudar, e eu não me ajudava, ninguém me ajudava. Eu tinha minha prima, mas não conseguia contar da minha companheira solidão. Então permaneci quieta até me destruir.
A chegada do meu aniversário mudou as coisas mas nem tanto. Passei meu aniversário com minhas primas, uma amiga que eu dizia que me importava e meu melhor amigo(e a namorada dele, essa foi a melhor mudança, nós duas na mesma sala por horas...).
A solidão está indo aos poucos. Estou me renovando com cuidado. Mas ser livre será eterno.

8 comentários:

Wevertton disse...

Oiiis amei seu blog, se dê passa pelo meu...
BjjÔ

Isadora Cavalcanti disse...

Obrigada pela visita e elogios no meu blog, querida.
Sempre veio aqui p ler todas as maravilhas que tu escreve :)


Aparece mais vezes por lá??

Beijos

J. disse...

Solidão. As vezes necessário sabia? Imagino o que vc deve ter passado. Vc deve ter aprendido muito com esse tempo. Renovar, isso mesmo, eu preciso disso.
MUITO lindo o texto.
bjbj
J.

Caá disse...

que texto lindo..
solidão é triste, ainda mais quando as 'amigas' não se importam
mas é como eu penso, antes só do que mal acompanhado, e nada melhor que a familia pra estar junto, mesmo ela sendo somente uma prima.
que tenho certeza que acabou se tornando uma melhor amiga!

ee obrigada pelos selos :D
beeijos

Juuh Costa disse...

Ameei (L)
:*

Mário Cau disse...

Sis!
Pode parece uma coisa boba, ou até masoquista, mas eu consigo entender a beleza da solidão. A beleza da tristeza. E a necessidade delas.
Eu me sinto melhor acompanhado, adoro meus amigos, adoro conehcer gente nova, gosto de sentir que pertenço.
É algo que me move.
Mas mesmo assim nao deixo de saber q as vzs precisamos nos fechar um pouco.

Eu entendo essa sua solidão, mas sei que vc vai tirar disso coisas bonitas, como esse texto que postou. Tudo que acontece com a gente pode resultar em algo legal.

Conversaremos mais esse fim de semana?
Bjão...

cla. disse...

queria ter sua força.
de não ficar mal porque esta sozinha e aproveitar isso, vou tentar fazer isso, nas sincustancias em que me vida se encontra seria um boa coisa (:

obrigada pelo texto lindo.

Anônimo disse...

Solidão é o melhor caminho para nos conhecer... é o que dizem, não sei se é o que acredito. Me perco na minha própria cabeça quando fico muito sozinha. Então, acho que não é bom ficar muitoo sozinha.

E é por isso também que sempre estarei aqui pra ti. A qualquer hora.

amo-te!!
Rol