sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Meio Termo — Extra — O Fim

Ela surge novamente no Meio Termo como se aquele diz não existisse mais. Pois, tecnicamente, tudo não passou de uma grande mentira.
Pede um chá de maçã, um aroma suave. Enquanto ela o aprecia, nota que volta a pensar nele. Ela saboreia o líquido doce, se lembra do beijo que ele poderia ter dado.
A xícara branca se esvazia no meio de sensações e oportunidades. Ela pede, igual ao daquela outra tarde, uma torta de chocolate. Ela gosta de lembrá-lo.
Enquanto o doce derrete em sua boca, imagina ele sentando-se ao seu lado, sussurrando em seu ouvido tudo o que ela gosta de ouvir, e beija seu pescoço de uma maneira intensa.
Acorda daquele doce devaneio e se depara com ele. À sua frente, encarando seus olhos que brilham. E ela nota que ele é apenas uma abstinência de sonho.

Chá de maçã não deixa de ser outro vício meu(neste caso, não de bebida, mas de escrever).

Nenhum comentário: