domingo, 21 de fevereiro de 2010

Rua Quinze com a Allison

Os parquímetros da Rua Quinze estavam tão sujos e velhos que eu me senti em casa. Há dois anos eu passei pela última vez naquele lugar. O vermelho desbotado de um prédio alto iniciou minha nostalgia. Com essa nova perspectiva, não encontrei motivos para ter fugido. Mas eu fiz. A falta de chuva deixava todo o passado mais confuso. O Ben, que deixou a Rua Quinze na época da seca há dois anos, dizia que os motivos eram claros, ela disse "não", então porque deveria ter continuado? Drew, que retornava à rua quinze após dois anos, dizia que um "não" era superável, Ben fora fraco,não lutou.
Decidi interceder. Perguntei a Drew porque ele não iria fazer isso? Porque ele não superava aquele não? Drew disse que dois anos haviam passado.
O problema, Drew, é que você criticou Ben por não ter superado um "não" e você tem medo de enfrentar dois anos? Esse tempo foi nossa culpa, você deve resgatá-lo. Para isso, precisamos do Ben.
Fitei a porta de vidro do prédio cinza, que um dia fora Branco, desejei que Ben abrisse-a, mas não o fez. Pedi a Drew. Ele foi seco:
—Seu passado, seu erro. Sua porta.

2 comentários:

Juujie disse...

Adorei o fundo do novo blog.
E adoro seu jeito es escrever.
Beijos, amiga (:

Larissa disse...

gostei do texto! Lia sempre o Apple Tea. Vou likar esse aqui no meu blog. Bjs :*