sábado, 12 de fevereiro de 2011

Foi o destino. Caramba, o que eu perderia se não tivesse adentrado aquele sebo. Se eu não me perdesse entre os pocket books. Se aquele nome não tivesse se sobressaído entre tantos títulos. Eu acredito numa força mística que me une aos livros. Eu devo escutar o destino e a intuição. Se ele ordena que eu leia tal livro, ela me diz, eu acato a decisão.
Os livros acrescentam muito mais que conhecimento na minha vida. Os livros acrescentam vida na minha vida.

Um comentário:

Jefhcardoso disse...

Mariana, eu também tento ouvir o que me dizem os livros. Nos sebos eles chamam-nos aos gritos. Já não são virginais. Já sabem do prazer que é serem lidos. Querem mais uma vez dominar o olhar, invadir uma mente. Incrível quando o nome do antigo dono ainda está presente na contracapa, não? [sorrio]
Mas afinal, qual foi o livro que lhe chamou no sebo?

Convido-te ao http://jefhcardoso.blogspot.com/

“Para o legítimo sonhador não há sonho frustrado, mas sim sonho em curso.” (Jefhcardoso)